Terça-feira, 15 de Setembro de 2009

"No teu deserto", Miguel Sousa Tavares (2)

 

"Sim, eu reparei que a porta da casa de banho estava semiaberta. Tentei fechá-la, mas ela não encostava à ombreira... Para me despir e chegar até à banheira, tinha de atravessar esse espaço aberto através do qual tu também me podias ver... Ainda me ocorreu entrar lá para dentro de costas voltadas para a porta, mas depois, e como se fosse a coisa mais natural do mundo, virei-me, sim, de frente, completamente nua, e entrei na banheira. Ao entrar, olhei para o quarto e vi-te a olhar para mim. Foram apenas uns segundos e soube-me bem, não sei explicar porquê - talvez por vaidade, talvez porque já me sentisse íntima de ti e esse teu olhar não tivesse nada de estranho ou de maldade, talvez apenas porque eu queria que tu me visses e queria ver-te a olhar-me." (ela)

 

"Havia qualquer coisa em ti que me irritava e me atraía, ao mesmo tempo. Quando eras doce e querido, ou quando essa tua loucura latente ou essa tua alegria escondida vinham ao de cima, eu queria ficar ao pé de ti, porque me davas segurança e simultaneamente sentia que devia também proteger-te. Havia um conforto e uma paz ao teu lado que eu não sentia há muito.

Mas quando tu ficavas irritado e irritante, quando não querias ouvir as opiniões de ninguém e só sabias dar ordens e esperar que eu e todos à volta ficássemos esmagados pelo teu brilho e clarividência, aí eu afastava-me. Magoada contigo e irritada comigo por me deixar sentir assim magoada por ti. Eu ainda mal te conhecia!" (ela)

 

"Adoravas sentir e pensar que eu te tomava pelo meu guardião e protector, que a minha própria vida estava nas tuas mãos, na tua perícia ao volante e nas tuas sábias decisões! E, todavia, oh meu querido, se tu soubesses que quando eu verdadeiramente gostava de ti era quando te surpreendia com um ar de menino perdido ou contente, quando te via cansado e assustado, quando fingias saber onde estavas e nao fazias ideia, quando à noite na tenda me encostava a ti e só então tu adormecias, embora fingisses estar a dormir há muito!" (ela)

 

"Dormias profundamente, com a cara virada para mim e a tua mão direita pousada sobre o meu ombro. Como se fôssemos íntimos." (ela)

 

"Ficava-lhe a matar: toda a gente, homens e mulheres, se virava na rua à sua passagem. Acho que só aí reparei bem como ela era alta e como tinha uma maneira de andar, meio preguiçosa, meio descontraída, que ainda fazia os homens fixarem-se mais nela." (ele)

 

"Sentia-me tão íntimo e tão próximo dela, que tive necessidade de o sentir também fisicamente. Rocei-lhe o ombro no seu, enquanto comíamos em pé; pousei ao de leve a minha mão sobre a dela, fingindo que a estendia para a lata de atum, e fiz-lhe uma festa, aparentemente distraída, no cabelo, quando fui ao jipe buscar mais vinho branco ao garrafão. Ela nunca se deu por achada: não fugiu nem retribuiu. Mas sorriu sempre e a sua voz clara, um pouco infantil, arrastando as sílabas, e o tom de menina habituada a ser bem tratada com que pedia "dás-me lume?", ou me levavam ao engano ou à felicidade - que as duas coisas andam frequentemente confundidas." (ele)

 

"E, depois, falávamos sobre a vida que tínhamos deixado para trás, interrompida por estes dias fora de tudo. Ou melhor, falavas tu, porque eu não tinha vida para te contrapor.

E de vez em quando, paravas de falar e perguntavas:

- Estou a ser chato?

- Não, não: continua a falar, que te estou a ouvir.

Mas vou-te confessar: ... escondia-me atrás dos óculos escuros e ia dormindo, embalada pela tua voz... e eu sentia-me tão bem assim, protegida pelo som da tua voz...irreal me parecia toda esta felicidade que não te sei dizer!" (ela)

 

"A maior parte do tempo, porém, o que nós partilhávamos era o silêncio. E isso eu aprendi contigo, porque não sabia. Para mim, o silêncio era sinal de distância, de mal-estar, de desentendimento. Ao princípio, quando ficávamos calados muito tempo, eu sentia-me inquieta, desconfortável, e começava a falar só para afastar esse anjo mau que estava a passar entre nós.

Um dia tu disseste-me:

- Cláudia, não precisas de falar só porque vamos calados. A coisa mais difícil e mais bonita de partilhar entre duas pessoas é o silêncio."

 

"Ficam calados porque já não têm mais nada a dizer."

- Mas tu não poupas palavras: tu escreves. Todas as noites gastas uma hora a escrever um diário nesse teu caderno...

- Escrever não é falar.

- Não? Qual é a diferença?

- É exactamente o oposto. Escrever é usar as palavras que se guardaram: se tu falares de mais, já não escreves, porque não te resta nada para dizer.

Anos mais tarde, já estava doente, voltei a lembrar-me dessa nossa conversa. Tinha acabado de te escrever uma carta - que nunca te cheguei a mandar e que destruí depois. E, escrevendo, poupei as coisas que gostaria de te ter dito e que gostaria que tivesses ouvido. Cheguei quase a convencer-me de que bastava escrever-te para tu me ouvires, mesmo que nunca tenha chegado a pôr a carta no correio. Porque era tão sentido e tão magoado, tão distante, o que te dizia nessas cartas, que quase acreditei que tu não podias deixar de me ouvir." (ela)

 

 

 

 

 

 


publicado por Strelitzia5 às 19:03
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 9 de Setembro de 2009

quote.

 

"A esperança supera a experiência - é assim que Deus se diverte com a raça humana."

(A character's line from the movie: 'A Good Woman' - seen today morning with the storm's company...)


publicado por Strelitzia5 às 12:29
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 7 de Setembro de 2009

"No teu deserto", Miguel Sousa Tavares

 

"... tinha 36 anos, e lembro-me por isso mesmo, porque foi o ano da minha vida em que me senti mais novo. Nem aos 25, nem aos 21, nem aos 18. Foi aos 36 anos de idade que eu me senti eternamente jovem, quase imortal ou, mais arrepiante ainda, indiferente à própria ideia de morte."

 

"Tudo em ti, não apenas os teus absurdos 21 anos: a própria maneira um pouco estouvada de caminhares, como se ainda não tivesses aprendido bem a andar, a maneira de parares, virar a cabeça e sorrir por cima do ombro, os teus ares de menina pequenina que precisa de ser embalada e que alternavas com vãs tentativas de parecer mulher adulta e sábia."

 

"Quando se zangava, a Cláudia não discutia nem levantava a voz, nem sequer respondia. Fechava a cara com um ar triste e desaparecia. (..) Quando voltava, sorria outra vez e eu estava desarmado."

 

"Era impossível resistir ... ao riso da Cláudia: era infantil, cristalino, nada ainda o tinha desgastado. Cabia lá dentro toda a ilusão do mundo."

 

"A voz era musical e segura, ao contrário dela que parecia ainda não mais do que uma miúda. Mas não era infantil, longe disso: tinha, sim, trejeitos de criança, que, conforme o meu humor, ora a tornavam insuportável, ora irresistível. Juntava em si essa fabulosa combinação entre uma mulher sensual e uma criança desprotegida - a Marilyn que todos os homens desejam poder proteger um dia.

Ah, e falta dizer o mais importante: era generosa, aventureira, inconstante, doce de alma e de voz."

 

"A Cláudia sempre gostou de desaparecer, mas isso não significava, de modo algum, que as coisas lhe fossem indiferentes."


publicado por Strelitzia5 às 18:50
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 6 de Agosto de 2009

Será?

   "O destino conduz o que consente e arrasta o que resiste."

Séneca.

sinto-me: gente sábia...

publicado por Strelitzia5 às 20:11
link do post | comentar | favorito
Sábado, 1 de Agosto de 2009

Super Recomendável

 

Adorei este livro. Agarrou-me da 1ª à última página. Eu bem que tento ler coisas intelectuais e para o esquisito, mas nada melhor que a simplicidade de um livro que versa sobre a complexidade das vidas humanas. Fiquei cativada para ler a restante obra da autora italiana Sveva Casati Modignani.

 

Aqui ficam algumas expressões que me tocaram:

 

"Ela era a mulher que sempre procurara: verdadeira, deliciosamente complicada, substancialmente natural. Sabia ser uma amante apaixonada e uma amiga alegre. Era impulsiva, sonhadora, mas sabia enfrentar a realidade com determinação. Em suma, era perfeita..."

 

" - Se não voltou a casar, foi porque tu não o deixaste livre. És teimosa como uma mula. Mas não tens coragem de escolher. De que é que estás à espera? Que o destino escolha por ti? Isso até é possível. Mas lembra-te de que, enquanto te entreténs com as tuas interrogações, há alguém que sofre."

 

"Ela não o tinha deixado livre para ele se afastar."

 

E nem há uns minutos atrás descobri que fizeram filme do livro!! Que fixe! E é filme italiano, pelo que ainda oiço aquela língua e pronúncia lindíssima! Ehehe

 

sinto-me: La vita è bella! (às vezes...)

publicado por Strelitzia5 às 19:56
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 17 de Julho de 2009

Ah! Já percebi!

 

Cena de diálogo entre as personagens Annie e Liam, no episódio 23, da 1ª temporada da série "90210":

 

Liam: "Oh yeah, so what's your theory?"

 

Annie: Well... A- You´re just not that into her and you're not man enough to be honest about it. ... Or, B- You actually do like her, but you're not man enough to handle it!!

 

Liam: "Ah... And to what conclusion have you come to?"

 

Annie: "Basically? You're not much of a man!..."

 

 

 

sinto-me: Fez-se luz!

publicado por Strelitzia5 às 20:05
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 27 de Junho de 2009

quote.

 

 

"Then I feel,... that I have given away my whole soul to someone who treats it as if it were a flower to put in his coat, a bit of decoration to charm his vanity, an ornament for a Summer's day." - Oscar Wilde, em "O Retrato de Dorian Gray"


publicado por Strelitzia5 às 22:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 2 de Abril de 2009

"Tu sabes, mas acho que devo dizê-lo em voz alta..."

 

(excerto de Eclipse)

 

- Queria falar contigo. Não acredito nisto...

-Fala agora comigo.

Os olhos de Jacob cruzaram-se com os meus durante um segundo e, a seguir, viajaram até às árvores. Parecia quase que ele estava corado, mas com a pele escura era difícil de dizer.

Subitamente lembrei-me do que Edward referira quando me tinha deixado na fronteira - que Jacob me havia de dizer aquilo que a sua mente estava a gritar. Comecei a morder o lábio.

- Escuta - disse Jacob -, estava a planear fazer isto de forma ligeiramente diferente. - Ele riu-se e tive a sensação de que estava a rir-se de si mesmo. - Mais suave. - acrescentou. - Ia fazer uns floreados à volta da questão, mas - olhou para as nuvens, cada vez mais sombrias à medida que a tarde avançava -, estou sem tempo para o fazer.

Riu-se novamente com o nervosismo. Continuava a andar de um lado para o outro.

- Estás a falar de quê? - perguntei.

Jacob inspirou profundamente.

- Quero contar-te uma coisa. Tu sabes...mas acho que devo dizê-lo em voz alta. Só para nunca haver qualquer mal-entendido sobre o assunto.

Finquei os pés no chão e parei. Tirei a mão da dele e cruzei os braços por cima do peito. Subitamente, tinha a certeza de que não queria saber do que ele estava a falar.

Jacob franziu o sobrolho, provocando uma sombra profunda nos olhos. Quando estes repousaram nos meus, estavam negros como a noite.

- Eu estou apaixonado por ti, Bella. - disse, num tom forte e seguro. - Bella, eu amo-te. E quero que me escolhas a mim e não a ele. Sei que não sentes o mesmo, mas preciso de dizer a verdade para que conheças as tuas opções. Não quero que entre nós haja dificuldades de comunicação.

 

(...)

 

- Jake - parecia que tinha qualquer volumosa a picar-me a garganta. Tentei desobstruí-la. - Eu não posso... quero dizer, eu não... tenho de ir embora.

Virei-me; mas ele agarrou-me pelos ombros e rodou-me.

- Não, espera. Eu sei isso, Bella. Mas, ouve, responde-me só a isto, está bem? Queres que me afaste e que nunca mais nos encontremos? Sê honesta...

Foi difícil concentrar-me na pergunta; por isso demorei algum tempo a responder.

- Não, não quero. - admiti finalmente.

Jacob voltou a sorrir.

- Estás a ver?

- Mas não te quero por perto, pela mesma razão que tu - argumentei.

- Então diz-me por que motivo me queres por perto.

Pensei com muita cautela.

- Porque quando não estás por perto tenho saudades tuas. Quando estás feliz - e qualifiquei com cuidado - eu também fico feliz. Mas podia dizer exactamente o mesmo em relação ao Charlie. És da família. Amo-te, mas não estou apaixonada por ti...

Ele assentiu impertubável.

 

(...)

 

Aquilo tocou-me na ferida e, involuntariamente, recuei um passo. Ele tinha razão. Se eu não fosse má e egoísta, seria capaz de lhe dizer que não queria continuar a ser amiga dele e ia-me embora. Era errado mantê-lo como amigo, ao saber que o estava a magoar.

 

(...)

 

Os seus olhos semicerraram-se. Mantinha o meu queixo na mão e os seus dedos seguravam-no com tanta força que começou a magoar-me. Depois, algo se revelou abruptamente no seu olhar.

- Não - e ainda me opus; mas já era tarde de mais.

Os lábios de Jacob esmagaram os meus, travando o meu protesto. Beijou-me furiosamente, de forma rude, com a outra mão a segurar-me o pescoço, tornando a minha fuga impossível. Empurrei-lhe o peito com toda a força, mas ele pareceu nem reparar. Apesar da fúria, a sua boca era suave, os lábios moldavam-se aos meus de uma maneira quente e desconhecida.

 

(...)

 

- Quando ele se foi embora, concentraste toda a tua energia para te agarrares ao que restava dele. Podias ser feliz se o largasses. Podias ser feliz comigo.


publicado por Strelitzia5 às 01:15
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2009

mãe: "o pior cego é aquele que não QUER ver"

 

New Moon, p. 200

 

" - Gostas de mim, não gostas?

  - Sabes bem que sim.

  - Mais do que aquele tipo que está a vomitar as tripas ali dentro? - e apontou na direcção da casa-de-banho.

  - Sim - suspirei.

  - Mais do que qualquer um dos rapazes que conheces?

  - E do que das raparigas também - salientei.

  - Mas é só isso. - respondeu, não se tratando de uma pergunta.

Foi difícil responder. Será que ficaria magoado e evitar-me-ia? Como suportaria isso?

  - Sim. - sussurrei.

Ele sorriu-me.

  - Não faz mal. Desde que gostes mais de mim. E que penses que sou bem-parecido.. mais ou menos. Sinto-me preparado para ser irritantemente persistente.

  - Não vou mudar - afirmei e, tentando manter um tom normal, apercebi-me da tristeza interior.

  - Ainda é por causa do outro não é?

Retraí-me. Era curioso que ele soubesse que não deveria pronunciar o nome.. tal como tinha acontecido, no carro, em relação à música. Jacob captava muitas coisas a meu respeito, às quais nunca fizera qualquer referência.

  - Não precisas falar sobre isso. Mas não te zangues comigo por ficar perto de ti, está bem? Porque não vou desistir. Tenho tempo de sobra...

  - Não devias desperdiçá-lo comigo. - recomendei, apesar de querer que ele o fizesse. Principalmente se estivesse disposto a aceitar-me como eu era: uma espécie de mercadoria danificada.

  - É o que pretendo fazer, enquanto continuares a gostar de estar comigo.

  - Não consigo imaginar como poderia não gostar de estar contigo. - disse sinceramente.

Jacob sorriu.

  - Consigo aceitar isso.

  - Mas não esperes mais. - preveni-o, afastando a minha mão.

 

(...)

Olhava em frente consumida de culpa.

Não era certo incentivar Jacob. Tratava-se de puro egoísmo. Não iimportava que tivesse tentado esclarecer a minha posição. Se ele mantivesse uma réstia de esperança que a nossa relação se transformasse em algo mais do que amizade, era somente porque não tinha sido clara.

Como lhe poderia explicar de forma que entendesse?

No entanto, estava consciente que, apesar disso, não iria afastá-lo. Precisava muito dele e era egoísta. Talvez pudesse tornar a minha posição mais clara, de modo a que ele tivesse consciência de que devia deixar-me.

Deus sabia que nunca quisera usá-lo. Não conseguia evitar aquele sentimento de culpa.

Mais do que isso: nunca tivera intenção de o amar.

Eu acabara destroçada de uma forma irreparável.

No entanto, agora precisava de Jacob como de uma droga. Usara-o como muleta durante muito tempo e tinha aprofundado mais a nossa relação do que na realidade tencionara. Não suportava a ideia de ele sair magoado; no entanto, não conseguia evitar magoá-lo. Jacob pensava que o tempo e a paciência me fariam mudar, e embora soubesse que ele estava completamente enganado, estava certa de que o deixaria tentar.

Era o meu melhor amigo. Amá-lo-ia para sempre e isso nunca, jamais, seria o suficiente.

 

(...)

 

- Não. É outra coisa.

- O que se passa?

- Tudo. - murmurou. - Dói-me o corpo.

A dor expressa na voz era quase palpável.

- O que posso fazer, Jake? O que posso levar-te?

- Nada. Não podes vir aqui. - E foi brusco.

- Já estive exposta ao que tu tens, seja lá o que for. - salientei.

Ele ignorou-me.

- Jacob...

- Tenho de desligar.

- Telefona-me quando te sentires melhor.

- Está bem. - A sua voz tinha um estranho travo de amargura."

(E mais não preciso dizer...)


publicado por Strelitzia5 às 12:57
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 9 de Janeiro de 2009

Frases Agenda Paulo Coelho

 

coragem não significa ausência de temores, mas, sim a capacidade de não nos deixarmos paralisar.
 
o barco está mais seguro quando está na porto; mas não foi para isso que foram construídos os barcos.
 
o medo vai até onde o inevitável começa; a partir daí, perde o sentido. E tudo o que nos sobra é a esperança de que tomámos a decisão certa.
 
ninguém erra quando está a agir.
 

aqueles que dão um novo passo e ainda querem manter um pouco da vida antiga acabam dilacerados pelo próprio passado.

 

o medo de sofrer é pior do que o próprio sofrimento.

 


publicado por Strelitzia5 às 11:48
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.Strelitzia (*)


. ver perfil

. seguir perfil

. 2 seguidores

.pesquisar

 

.Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
22
23

25
26
27
28
29
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. "No teu deserto", Miguel ...

. quote.

. "No teu deserto", Miguel ...

. Será?

. Super Recomendável

. Ah! Já percebi!

. quote.

. "Tu sabes, mas acho que d...

. mãe: "o pior cego é aquel...

. Frases Agenda Paulo Coelh...

.tags

. todas as tags

.links

SAPO Blogs