Quinta-feira, 29 de Outubro de 2009

"Lost"

 

A vida é amargamente volátil por vezes.
Em tempos surgiram duas das pessoas de quem mais gostei e a quem mais me dediquei. As duas que no fim acabaram por despedaçar em bocados um coração que parece imune, frio e inquebrável, porque parece que ainda estou aqui e sobrevivo. Talvez já não sinta a dor, de tão insuportável que se tornou. Como viver com estes fantasmas? Olhando sempre em frente e vivendo o dia seguinte...
Aquela amiga, como uma irmã, meia década das memórias mais bonitas e doces. Mas como eu temia que a tua fraqueza de espírito se pudesse um dia revoltar contra mim. Vazia de personalidade, oca de mente, deixaste vender-te ao mundo das aparências e ilusões, pensando que assim camuflas uma falta de brilho natural e uma terrível inexperiência da vida, que te mimou, acriançou, infantilizou. Como passas da pessoa mais bondosa e compreensiva, para a pessoa mais crítica e intolerante? Como passas da simplicidade singela para a pose forçada? Porque me invejas, porque me atinges e apunhalas com tanto prazer e rancor?
Serei mesmo eu? Eu que vejo surgir à minha volta mais e mais pessoas e carinho, e tu que afastas todos os que tanto te admiraram... Será que não vês a realidade? Estarás tão cega nesse teu mundinho pré-fabricado, recheado de novos valores podres, em que os teus grandes sonhos de outrora pelos quais deixaste de lutar, foram substituídos pela inércia dos dias, a inutilidade dos objectivos, a alcovitaria e a maldade...
És puro veneno que banha agora a lâmina com que trespassas todos os baluartes da minha fé e da minha força. Desventuraste todas as minhas crenças e sólidas concepções sobre a vida, as pessoas, a amizade.
Sei agora que se puser a mão no fogo, o mais certo é um dia queimar-me.
Tenho quem me preencha e faça suprir a tua falta. Mas pergunto-me... Era de ti e isto ia inevitavelmente um dia acontecer, ou será que neste mundo só podemos mesmo confiar em nós próprios?
Será que aquilo que pensamos ser sustentável, garantido como abrigo e refúgio, pode escorregar pelos nossos dedos como areia, ao nosso total descontrolo e impotência?

 

E tu, outro...
Aquela história perfeita do príncipe encantado. Encomendado desde sempre, mas em receita estragada que veio, tornou-se um belo sapo...
Sobre ti já tanto foi dito, pensado e escrito. E tu sabes. E tu leste.
Mas pior que um amor que não pudeste ou não quiseste dar, foi a amizade que fingiste ter por mim, o prémio de consolação que disseste estar pelo menos assegurado, a ilusão do respeito e admiração que me tinhas...
É bem possível que me tenhas conhecido como poucos me conhecem, e também que te provocasse interesse e fascínio. Mas será que isso se traduziu num real e genuíno valor? Parece que não...
Fizeste coisas que um amigo não faria - no duplo sentido de que serias mais que amigo ou até de amigo em si muito fraco. Tão confusa e desgastante foi a realidade que se instaurou entre nós... Tanto mal que me fizeste, tanto que revolucionaste e desgraçaste os meus destinos, tanto que me transformaste.
Toda aquela minha alegria de viver permanece em mim, mas deixei de ver o mundo, as pessoas, os homens a não ser com extrema desconfiança e descrença num futuro prometedor.

 

É a primeira vez que consigo desabafar o que fosse perante estas duas perdas.
Tive que pensar na integridade do meu ser e cortar as densas raízes destas árvores lendárias. Os ramos que mais tentei cuidar e frutificar... mas a estação da vida mudou. Talvez um novo ciclo. Agora agem como se tivesse morrido, sou um fantasma...
Atravesso continuamente vidas tão desligadas e desfasadas. Reencarno multiplamente numa vida que devia ser una.
Poderia dizer que eu não sofro estas metamorfoses e o meu espírito mantém-se intacto e é o mesmo desde sempre. Será? Acho que me perdi pelo caminho.
É como se ao religioso fanático tivesse sido dada revelação superior de que afinal o seu Deus não existe. É como se tudo aquilo em que acreditava e tudo aquilo em que apoiava os alicerces da minha vida e felicidade houvessem desmoronado, sem hipótese de reparo.
Perco a fé sólida em tudo o que me rodeia.
Já eu própria me transcendo.
A dor lateja incessantemente. A dor é lacinante. Arde-me cada entranha, mas eu continuo a sorrir.

 

Será que quando te toco, a ti, e a ti, vos toco mesmo? Sentem-me?
Ou estamos todos fatalmente separados uns dos outros, e qualquer ligação é tão-só impossível?

 

O que somos uns para os outros e o que fazemos aqui?

 

26-Out-2009

sinto-me: ....

publicado por Strelitzia5 às 00:33
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De Ritinha a 15 de Novembro de 2009 às 10:26
És grande...mesmo se para alguns um fantasma...mas sempre um fantasma inesquecível!
Adoro-te


De susana santos a 5 de Dezembro de 2009 às 19:41
Quem tem amigas assim realmente não precisa de inimigas!!!!!!
Que tal conversarem e chegarem a um acordo???
Sempre "ouvi dizer" que a culpa será das 2 partes não te parece??
Ser amiga é ouvir, não concordar mas dizer!!!!, enfim estar lá para o bem e mal, mesmo que não se concorde com as "opiniões" dialogar é essencial!!!!!!, também se cresce assim...........


De Strelitzia5 a 6 de Dezembro de 2009 às 20:27
Mas o que é que se passa com os visitantes q passam no meu blog??
Agradeço a presença, e a perda de tempo no comentário, mas pedia q os comentários se cingissem ao poema/texto em si, pela escrita em si, boa ou má, e que esses mesmos comentários se abstivessem de se imiscuir na minha vida privada... Quanto ao q nela se passa, só eu sei, não é verdade...
Lá terei as minhas razões, e sou já bem crescida para tê-las, e saber se as razões são ou não ponderosas...sim?
Oh meça!


De susana santos a 7 de Dezembro de 2009 às 01:38
Oh meça??? digo eu!!!! quem não tem estofo para ouvir
a opinião das pessoas, não desabafa num texto o que lhe vai na alma!!!!!!!!
Oh! constrói um blog sem oportunidade de comentários " menina mimada......"


De Marta Macieira a 7 de Dezembro de 2009 às 12:31
Bem Catarina só posso falar da escrita?
Ora aqui vai... escreves bem, com palavras caras, com um bom português, mas só tens um problema insultas as pessoas e não sabes dizer porquê!
É impossível ler um texto destes e não dar uma opinião e digo-te mais tens um grande defeito não sabes aceitar uma critica!
ah!! e tens outro não enfrentas as pessoas na frente, falas sobre elas, escreves sobre elas mas quando chega a altura de as encarares foges como se fosses uma criança de 5 anos que sabe o que fez e tem medo de assumir as responsabilidades.
Gostava de te poder dizer isso na cara mas sou mais uma das pessoas que tens medo de encarar, mas olha que o mundo é tão pequenino que um dia isso vai ter de acontecer :p


De Strelitzia5 a 7 de Dezembro de 2009 às 20:53
Bem... Enfim.
A escrita é algo meu, privado. Se permito os comentários, então pronto, estou sujeita a certas coisas, parece. Há liberdade de expressão, para os dois lados, sim senhor, acho correcto.
Marta, quanto ao resto, sei bem o q qero na minha vida, sei q ela é preciosa demais para desperdiçar momentos para com quem, por razões q me são pessoais e intímas e não carecem de justificação perante ninguém, me magoou e desrespeitou.
Quanto a ti, não sei o q tens para me dizer, quando o assunto não te diz respeito. Que o mundo seja pequenino... As meninas maduras e adultas podiam um dia arranjar uma vida, deixar a minha em sossego e deixar de dar tanta importância à minha pessoa, se faz favor... Já é perseguição obsessiva.
Só não sei porque ainda perco este tempo aqui... Haja o mínimo respeito!


Comentar post

.Strelitzia (*)


. ver perfil

. seguir perfil

. 2 seguidores

.pesquisar

 

.Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
22
23

25
26
27
28
29
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Lendo...

. REVOLTANTE

. Sobre almas gémeas

. Biblioteca de Verão - Diá...

. True Blood

. ...

. ...

. Adriana - "em contramão"

. "Neumond"

. "Lost"

.Guest List

.tags

. todas as tags

.links

.facebook

SAPO Blogs