Segunda-feira, 16 de Junho de 2008

Elogio à Poesia

(começa sempre por ser um monológo pessoal, mas acaba sempre dirigido a todo o mundo, sempre na exasperante tarefa de querer partilhar e transmitir algo. Um apelo a ser ouvida, um pedido para que me saibam...)

 

 

Porquê o poema?

Cansas-te de coisas muito longas, muito pormenorizadas...

não tens imaginação para histórias, e pessoas... e vidas...

Mas escreves prosa poética.

Revela que és um pouco centrada em ti própria. Não que sejas egoísta, porque tu sabes as pessoas sem elas terem que te contar as suas histórias. E acreditas sempre que algo se aproveita em cada uma delas. És profunda, és optimista.

Tens um dom. Tocas as pessoas.

 

Mas a questão subsiste: porquê em poesia?

É curto, é breve, e só o essencial.

 

Muitas vezes a beleza está no essencial e o desenvolvimento, cada um que o faça à sua maneira. Mas a essência é para todos importante e igualmente importante nas doses proporcionais adequadas.

A partir do grande pilar e da unidade basilar, cada um pode pegar nas pequenas moléculas de vida e construir todo o resto da grande peça anatómica.

 

Então, o poema apela ao livre arbítrio, dando somente umas directrizes gerais para a orientação.

Cada um tem a liberdade de desenhar o seu destino e cada um deve poder fazê-lo a seu bel-prazer.

 

Enquanto a prosa e o texto nos contam toda a história completa. Não nos deixam divagar ou imaginar o resto. Já nos deram toda a informação. E prende-nos a uma vida alheia, copiada da de outrém que possamos admirar, sem qualquer poder de criatividade e originalidade.

 

Há que deixar uma margem de mistério para que cada um interprete a vida pela sua óptica própria e pessoal.

 

E por vezes, o poema é mágico. Numa breve expressão, numas poucas e comedidas palavras, tudo diz. E o som do poema recitado ecoa no ar para sempre. E o segredo que ele nos desvenda fica para sempre gravado na nossa memória poética. A cada poema, um pouco mais envelhecidos, mais sábios e mais fortes.

 

O poema, o dito-poema, já vai longe. É comprido. Então? Então para quê toda esta partitura, todo este sermão?

 

Isso é o gosto, a paixão. De escrever e já não querer ou não saber quando parar.

E a ânsia de inculcar uma mensagem. O receio de que essa mensagem não seja totalmente recebida. O gosto em partilhar. Em conversar. Porque a solidão nada é, nem nada tem de belo.

Ninguém se vale sozinho, pelo menos nesse caminho para a felicidade.

 

É bom que um pequeno poema nos possa parecer como um pequeno excerto enciclopédico, um auxílio didáctico.

 

E só pelo grafismo de tudo... a caligrafia, a cor do papel, a tinta da esferográfica...

a dor no pulso que começa a impelir para o fim da doce e breve narrativa...

Porque o grafismo é importante.

Porque cada som acompanha um pensamento imagético; porque cada palavra acompanha um sonho; cada toque transmite uma paisagem. E qualquer modificação na estruturação pode fazer toda a diferença: pode suscitar uma diferente reacção. Pode seduzir ou passar despercebida.

 

Toda a arte em toda a espécie em que se possa manifestar.

Qualquer coisa que nos faça sentir.

É isso que o poema provoca. Sensações.

Reminiscências de vida. E à primeira vista tudo parece um conjunto de palavras soltas, desordenadas e falsamente bonitas; mas um olhar mais próximo revela um poço profundo e encerra um mundo maravilhoso algures perdido no tempo.

 

Qualquer coisa que nos faça sentir.

Feel alive.

 

 

tags: ,

publicado por Strelitzia5 às 15:49
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De L. a 2 de Julho de 2008 às 10:25
«A pintura é uma poesia que se vê e não se sente, e a poesia é uma pintura que se sente e não se vê»,
Leonardo da Vinci


De Strelitzia5 a 2 de Julho de 2008 às 14:53
Bela frase, Sarita!
E de um homem e tanto.
Brigada, Bjs**

comenta sempre :)


Comentar post

.Strelitzia (*)


. ver perfil

. seguir perfil

. 2 seguidores

.pesquisar

 

.Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
22
23

25
26
27
28
29
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Lendo...

. REVOLTANTE

. Sobre almas gémeas

. Biblioteca de Verão - Diá...

. True Blood

. ...

. ...

. Adriana - "em contramão"

. "Neumond"

. "Lost"

.Guest List

.tags

. todas as tags

.links

.facebook

SAPO Blogs